O Imperialismo do lixo? Não! Todo o lixo é local.


Olá Pessoal,

Segue abaixo a tradução da matéria escrita pelo conceituado Jornalista Adam Minter, da Rede Bloomberg sobre a exportação de resíduos eletrônicos dos países ricos para os países em desenvolvimento e também a geração local.

Leia e Recicle seus Conceitos!!!

........................................................................

Por Adam Minter

Traduzido por: Marcus William Oliveira

04 de setembro de 2015
Por Bloomberg





A imagem é mostrada quase como um evangelho: toneladas de computadores, equipamentos eletronicos e telefones velhos, suas entranhas, por vezes tóxicas que se espalham, empilhados na África ou na Ásia, um símbolo do uso descuidado do mundo desenvolvido de nações mais pobres como uma lixeira para o Lixo Eletrônico, e consequentemente, outros males.

A realidade é que a imagem é tão obsoleta e precisa de um upgrade como os antigos aparelhos a serem reciclados, de acordo com um estudo de dois anos recém-lançado sobre o lixo eletrônico da Europa. Mas mesmo quando o mundo desenvolvido respira um pouco mais aliviado, uma crise de lixo eletrônico está aparecendo em países em desenvolvimento onde smartphones, laptops e outros produtos digitais estão se tornando acessível para milhares de milhões de novos clientes, mas os meios para reciclá-los com segurança são em grande parte inexistente.

Como resultado, os métodos, muitas vezes perigosas e ambientalmente destrutivos de eliminação, se não forem abordadas em breve, terão consequências para o mundo em desenvolvimento muito além do que podem ter sido causadas pelos equipamentos que qualquer país Europeu tenha exportado nos últimos anos. Lixo eletrônico é o resíduo com fluxo de crescimento mais rápido do mundo, e coloca-lo em lugares que têm a tecnologia para lidar com isso é crucial.

O novo estudo, financiado pela União Europeia e realizado pela Interpol, a Universidade das Nações Unidas e vários outros parceiros, constatou que apenas 4,2 por cento dos 9,5 milhões de toneladas de lixo eletrônico gerado na Europa no ano passado foi exportado para países em desenvolvimento como resíduo. (9,4 por cento adicional foi exportado como produtos para recuperação e reutilização.)

Nada disso deveria surpreender. Os resultados ecoam de estudos recentes de lixo eletrônico dos Estados Unidos. Por exemplo, um estudo de 2013 conduzido pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) postulou que os EUA exportaram tão pouco quanto 3.1 por cento do seu e-waste, em peso, enquanto que a Comissão de Comércio Internacional dos Estados Unidos entrevistou 5.200 empresas de reciclagem de eletrônicos e descobriu que menos de 4 por cento do lixo eletrônico dos EUA foi para o exterior para descarte ou - mais preocupante – para razão "desconhecida".

Embora cada um destes estudos tenham falhas, eles encontram apoio em dados da África, em particular. Um estudo de 2011 descobriu que apenas 9 por cento dos produtos eletrônicos importados para o Gana - amplamente divulgado como um dos lixões premier de lixo eletrônico do mundo - foram resíduos que precisavam de disposição. Enquanto isso, um estudo de 2012 do Programa Ambiental da ONU (PNUMA) mostrou que 85 por cento dos resíduos electrónicos gerados na África Ocidental vieram de consumo interno.

E que o consumo interno está crescendo em todo o mundo em desenvolvimento. Um relatório de junho de 2015 da Gigante Sueco das telecomunicações Ericsson disse que três quartos do crescimento global de assinaturas de telefonia celular veio da África e da Ásia - uma tendência que deve continuar até 2020. A China já tem mais de 1 bilhão de assinantes de telefonia móvel, e da Índia ( com 970 milhões) e África (com 910 milhões) em breve terão mais muitos também.

Alguns desses telefones são comprados novos, e alguns são importados utilizados de outros países. Mas todos, eventualmente, se tornarão obsoletos e precisarão de reciclagem e eliminação.

Todo mundo está rapidamente se tornando igual quando se trata de lixo eletrônico. Em 2013, o lixo eletrônico gerado pelo mundo em desenvolvimento excedeu o volume gerado pelo mundo desenvolvido, de acordo com um estudo da Universidade das Nações Unidas. Os números estão rangendo. Em 2014, por exemplo, a China gerou 6 milhões de toneladas de lixo eletrônico; por contraste, o Japão muito mais desenvolvido gerou 2,2 milhões de toneladas. E não é apenas os grandes países. Nos últimos três anos, por exemplo, Bangladesh importou 63 milhões de novos e usados ​​telefones celulares, e ainda não possuem leis, muito menos tecnologia, para lidar com eles no fim de suas vidas úteis.

A solução proposta na maioria das vezes para resolver o problema do descarte inadequado do lixo eletrônico - a proibição das exportações de países desenvolvidos -, obviamente, não vai resolver o problema em Bangladesh ou em qualquer outro lugar, e provavelmente teria a consequência não intencional de manter dispositivos usados de baixo custo ​​fora das mãos de pessoas que não podem pagar por produtos novos.

Da mesma forma, embora a Europa exporte muito menos do que a sabedoria convencional pode assegurar e suas leis e sistemas de resíduos eletrônicos são amplamente reconhecido como uma das mais rigorosas do mundo, o relatório da Interpol admitiu que quase a metade do lixo eletrônico produzido na Europa está sendo "mal geridos" no Continente – indo para aterros ou para um sistema de reciclagem inferior ao ideal.

Teoricamente, uma oportunidade de negócio existe aqui. Uma tonelada de sucata de computadores pessoais contém, em média, mais ouro do que o que está contido em 17 toneladas de minério de média qualidade. Porém construir a infra-estrutura necessária para coletar, muito mais extrair, esse recurso exige a criação de um mercado multi-bilionário que apenas poucos países em desenvolvimento podem desenvolver. A China tem diligentemente construido o maior sistema de coleta de lixo eletrônico do mundo, mas não está ne  m perto de tornar-lo financeiramente auto-suficiente. Além disso, o record de baixa nos preços das commodities torna tais investimentos altamente não-atraentes, sendo apenas um dos fatores negativos.

Muito melhor, então, a longo prazo é que os fabricantes e designers de produtos criem produtos que podessam ser facilmente reparados e atualizados para prolongar sua vida útil e mantê-los fora das lixeiras. Geralmente, esses produtos também são mais fáceis de desmontar para o processo de reciclagem quando tiverem chegado ao fim de suas vidas úteis.

Isso não é tão inverosímil como pode parecer. Projeto Ara do Google está desenvolvendo um telefone construído a partir de módulos de hardware que podem ser trocados livremente sem ter que atualizar para um novo telefone. Dell, entretanto, está desenhando seus produtos para ser mais fácil de reciclar e ganhando prêmios por isso. Claro, é improvável que só estas medidas sejam suficiente para deter a maré de lixo eletrônico, mas elas oferecem um bom começo na luta contra um problema - agora causado por quase todos - que vai representar desafios humanos e ambientais nos próximos anos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Criada a Entidade Gestora da Logística Reversa de Eletrônicos da ABINEE

São Paulo inicia a implementação do Projeto Piloto em Logística Reversa

PROJETO PILOTO DE COLETA DE RESÍDUOS ELETRÔNICOS - JICA